/* Facebook Like button

terça-feira, 18 de setembro de 2007

O Mito de Perseu e Medusa (Firenze parte II)

Chegando na Piazza della Signoria em Firenze, eis com quem eu me deparo

Perseu com a cabeça da Medusa
Benvenuto Cellini, 1545-1554
Firenze, Piazza della Signoria





Para quem não conhece o Mito segue abaixo uma versão dele que eu traduzi de um site italiano


Mítico herói grego, já conhecido em Homero e Esíodo, filho de Zeus e de Dânae, assim que nasceu, segundo a lenda, Perseu foi jogado ao mar dentro de uma caixa, junto com a mãe, pelo avô Acrísio, rei de Argo, a quem um oráculo havia previsto que seria morto pelas mãos do próprio neto. A caixa, levada pelos ventos, aportou na ilha de Sérifo, onde Dânae foi feita escrava e Perseu foi levado pelo tirano Polidette. Quando adulto Perseu, Polidette, para oferecer um digno presente nupcial a Ippodamia, com que desejava casar-se , organizou um banquete ritualístico no qual só se podia participar montado em um cavalo. Perseu, que não possuía um cavalo, prometeu a Polidette que teria em mãos a cabeça decepada da Medusa, uma das três Górgonas, cujo corpo era comumente representado como um corpo de cavalo. A contenda era dificil, mas em auxílio de Perseu vieram Hermes e Atenas que convenceram as Náiades a doar ao herói um par de sandálias aladas, um elmo que lhe deixava invisível e uma bolsa de pele mágica(kibisis) para colocar a testa da Górgona. Assim equipado, Perseu alçou vôo e chegou ao jardim das Hespérides e auxiliado pela deusa Gaia penetrou na gruta onde as Górgonas dormiam. Para matar a Medusa, única das três Górgonas que era mortal, era preciso evitar olhar para o seu rosto, que tinha o poder de petrificar quem o olhava. Perseu então, segundo uma versão do Mito, decapitou a Medusa olhando atrás do seu rosto; segundo outra versão, desferiu o golpe olhando a Górgona refletida em um escudo reluzente que Atenas havia lhe dado. Do pescoço cortado da Górgona saíram então o Herói Crisaor e o cavalo alado Pégaso, que se encontravam no seu colo. Perseu depôs na bolsa mágica a cabeça da Górgona, montou seu cavalo Pégaso e voando com ele conseguiu evitar que as outras duas Górgonas, neste meio tempo já acordadas, lhe seguissem. Na sua fuga aérea Perseu atingiu o país dos Etíopes onde encontrou Andrômeda, amarrada a uma rocha e exposta a um monstro marinho para aplacar a cólera de Posêidon. Perseu então se aproximou do monstro e o matou petrificando-o com a cabeça da Górgona e assim libertou Andrômeda, levando-a consigo a Sérifo, onde ainda acontecia o banquete organizado por Polidette. Mostrando a cabeça da Medusa, Perseu petrificou também Polidette, liberou a mãe da escravidão e com Dânae e Andrômeda tornou a Argo. A lenda ainda conta que depois Perseu, ainda na tentativa de reconciliar-se com o avô, o mata involuntariamente, golpeando-o com um disco lançado no curso de uma competição e assim se cumpriu a profecia do Oráculo.




Esse mito sempre me mobilizou muito. Existem muitas interpretações para ele. A que eu mais gosto é aquela feita pelo Ítalo Calvino nas suas Seis Lições americanas para o próximo Milênio. Na primeira das suas seis lições, a leveza, Calvino nos diz que a literatura é uma arte de representação das realidades humanas. Diz que essa representação se daria através de uma luz indireta, assim como a luz de um espelho, e que através dessa luz poderíamos entrar em contato com a dureza da realidade, sem, contudo, sermos petrificados por ela e sem, ao mesmo tempo, deixar de lidar com essa mesma realidade. Usando o mito de Perseu, que consegue matar a Medusa ao ver a imagem do monstro refletida no seu escudo reluzente, ele nos mostra, através da narrativa mítica, que o herói não se recusa a lidar com a realidade que o espera, mas o faz recusando olhar diretamente a Medusa. Aquele que olhar diretamente o rosto da medusa terá sua linguagem e imagem petrificadas pela dureza da realidade.


Ao invés disso, é na recusa da visão direta como o faz Perseu, que reside a força do escritor e a força do herói. O escritor representa a realidade com um discurso de leveza sem deixar de conter aí toda dureza e todo o peso das realidades humanas. E o herói guiado pelos seu deuses internos supera a realidade que o oprime recusando a paralisia. O cavalo Pégaso na história também nos remete ao movimento, que é o contrário de estar parado, petrificado. A narrativa é uma jornada heróica de superação, pois Perseu usa dessa mesma realidade que petrifica, ou seja a cabeça da Medusa, para libertar a si mesmo, Andrômeda e também sua mãe.




Abaixo mais fotos do inspirador herói






4 commenti:

Marcelo Cortimiglia on 18 de setembro de 2007 11:44 disse...

Interessante, também, a origem de Perseu. Traduzido do artigo da Wikipedia em inglês:

Perseus era o filho de Danae, que, por seu próprio nome, era o arquétio e ancestral epônimo de todos os Danaans. Ela era a única filha de Acrisius, Rei de Argos. Desapontado pela falta de herdeiros homens, Acrisius consultou o oráculo de Delphi, que lhe avisou que, embora destinado a permanecer sem filhos, ele seria um dia assassinado por seu neto. Danae, então, não tinha filhos e, para mante-la assim, ele a prendeu em uma sala de bronze no subsolo. Este tema também conecta-se com Ares, Oenopion, Eurystheus, etc. Zeus veio a ela na forma de uma chuva de ouro e a engravidou. Pouco depois, nasceu seu filho Perseu - "Perseus Eurymedon, pois sua mãe lhe deu este nome também" (Apollonius of Rhodes, Argonautica IV).

Perseu, no contexto histórico da mitologia grega, está diretamente ligado à ascenção do panteão de Zeus e dos deuses do Olimpo, em oposição aos Titãs.

João Acuio on 18 de setembro de 2007 12:40 disse...

Perseu é um dos meus heróis favoritos. Luta a vida inteira para deixar de ter um amor monstruoso.

E, junto com você, e com Calvino, também acho que é só olhando de revesgueio. A coisa é muito intensa para olhar de cara. Medusa não usa shampoo.

Tá lindo este baile aqui, Dani. Parabéns!

bjs,
Acuio

Anônimo disse...

Esse mito me remete a necessidade de se negociar com a realidade, sem sucumbir na paralisia por um lado, ou criar mundos paralelos por outro.
Espírito de herói (ou inteligência) + instinto animal (ou movimento) = Ser humano

Dani querida, obrigada pela oportuna reflexão da reflexão, beijos e segue o baile que tá bom demais!

Carolina

Anônimo disse...

PÉSSIMO!

 

Sites amigos

  • Jogo Astrológico - Bailarinos do meu coração, Está difícil vir aqui mais seguido falar com vocês. Mas é por uma boa causa: Lorenzo, meu filho amado. Eu estou aqui, trabalhand...
    Há uma semana

Atendimentos

Entre em contato comigo pelo e-mail danischeifler@gmail.com Ou pelo Skype Daniela Scheifler

Sites amigos

Text

Baile no céu Copyright © 2009 WoodMag is Designed by Ipietoon for Free Blogger Template